Plauto: deputado disse que só vai se pronunciar no processo (Foto: Sandro Nascimento/Alep)

ad

O juiz Guilherme de Paula Rezende, da 4ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, determinou o bloqueio de R$ 164 mil em bens do deputado estadual Plauto Miró (DEM) por supostas irregularidades em gastos com alimentação pagos com a chamada verba de ressarcimento da Assembleia Legislativa. O parlamentar é acusado de usar a verba para pagar despesas com alimentação em restaurantes da Capital, apesar da resolução da Assembleia prever que somente gastos feitos em viagens podem ser reembolsados.

A decisão envolve gastos realizados entre 2014 e 2019. A ação partiu de denuncia da Organização Não Governamental Vigilantes da Gestão Pública. Segundo a ONG, o deputado teria usado a verba “em bares e locais de recreação e lazer”. Entre os gastos estão despesas em restaurantes, lanchonetes, padarias e supermercados, o que na visão da entidade, configuraria uso indevido da verba.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Através de sua assessoria, o deputado Plauto Guimarães afirmou que só se pronunciará no processo quando for notificado.

Outros casos – Outros deputados já foram denunciados pela ONG, como Felipe Francischini (PSL), Ricardo Arruda (PSL), Anibelli Neto (MDB) e o ex-deputado Alexandre Guimarães. No último dia 19, o juiz Jailton Juan Carlos Tontini, da 3ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba decretou a indisponibilidade de bens de Anibelli Neto até o valor de R$ 175.790,00, também sob a acusação der gastos irregulares com a verba de ressarcimento da Assembleia.

Portal Guaíra com informações do Bem Paraná