O IDR-Paraná já iniciou no sábado (15) os trabalhos da rede Alerta Ferrugem da soja safra 2022/2023. Para essa safra, o Instituto e parceiros pretendem instalar uma rede com mais de 200 coletores em todo o Paraná. As informações serão divulgadas através do site e de boletins semanais.

As ações do Alerta Ferrugem consistem no monitoramento da presença de esporos da ferrugem-asiática da soja, através de coletores instalados em lavouras do Paraná. Com isso, é possível identificar o momento de chegada da doença nas lavouras e indicar o melhor momento para que os produtores façam o manejo da doença. Assim, evita-se que o manejo aconteça tardiamente e ocorram perdas de produtividade.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

A ferrugem-asiática é a principal doença da soja e pode causar perdas superiores a 80% da produtividade se não forem adotadas medidas de manejo adequadas.

Ao longo de várias safras, este trabalho demonstrou que é possível reduzir em 40% o número de aplicações de fungicidas nas lavouras que utilizam informações do Alerta Ferrugem, em comparação com aquelas que não usam.

Esta racionalização no uso de fungicidas contribui com a manutenção das produtividades das lavouras; aumento da rentabilidade econômica das lavouras devido à redução no número de aplicações; o manejo da resistência da ferrugem-asiática aos princípios ativos; e ao meio ambiente, devido à redução no uso de agroquímicos.

PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS – Promover práticas sustentáveis de produção da soja é uma ação constante do IDR-Paraná, tendo em vista a importância da soja na agropecuária paranaense, pois é o principal componente do Valor Bruto da Agropecuária – ocupará 5,7 milhões de hectares na safra 2022/2023. Neste contexto, a rede Alerta Ferrugem de monitoramento da ferrugem-asiática, pois permite o uso racional de insumos no manejo da doença.

Portal Guaíra com informações da AEN