Foto: APP Sindicato
ad

[dropcap color=”#81d742″]E[/dropcap]ducadores da rede estadual paranaense aprovaram, durante a assembleia da categoria realizada na manhã deste sábado (03), a Campanha Salarial 2018 e um intenso calendário de lutas. A Campanha é um conjunto de itens que pautarão as ações, mobilizações e reivindicações da categoria diante do descaso do governo estadual com a carreira dos (as) educadores (as) e da situação nas escolas.

Entre os itens, está o pagamento da data-base (a estimativa é que até maio, se não houver o reajuste previsto em lei, o governo estadual acumulará uma dívida de 12% com a categoria). Também continua a luta pelo reajuste salarial real, previsto pela Lei Nacional do Piso Salarial Profissional Nacional, que hoje seria de 23,88% e contra a redução dos salários de professores (as) PSS.

A categoria definiu também pela manutenção do estado de greve, onde a assembleia permanente fica instalada. Haverá também manutenção da Comissão de Mobilização. O Sindicato seguirá somando forças nas mobilizações das frentes de lutas e dos movimentos sociais.

Veja os itens que integram a Campanha Salarial 2018:Reajuste data-base;
Cumprimento do reajuste do PSPN;
Revogação dos itens ilegais da resolução 15/2018 (distribuição de aulas): contra a redução da jornada de hora-atividade e ataque às licenças legais;
Correção da redução dos salários dos professores (as) PSS, pagamento pela maior habilitação, atendimento à saúde;
Pagamento do salário mínimo regional para os (as) funcionários (as) que recebem abaixo do atual valor (R$ 1.293,60);
Equiparação do auxílio-transporte dos (as) funcionários (as) ao que é recebido pelos(as) Professores(as) (cargos de 40h);
Reajuste do vale alimentação para os funcionários (as);
Posse dos (as) aprovados (as) no concurso do magistério de 2013;
Concursos públicos para professores (as) e funcionários (as);
Retirada das faltas de greve;
Contra o assédio moral e adoecimento;

Pela continuidade na proposta de melhoria do ensino público no Paraná, os (as) professores (as) e funcionários (as) reivindicam:

Redução do número de estudantes por turma;
Garantia do PDE e PróFuncionário;
Contraposição ao fechamento de escolas, redução de turmas, redução de programas e projetos com a implantação de Escolas de Tempo Integral;
Acompanhamento do cumprimento das metas dos Planos Nacional, Estadual e Municipais de Educação (PNE, PEE e PME?s);
Movimento de resistência à implementação da BNCC nas escolas do PR;
Jornada de Trabalho em hora-aula das (os) pedagogas (os) e professores (as) readaptados (as);
Combate à lei da mordaça;
Novo Porte de Escola;
Os trabalhadores e trabalhadoras em educação pública do Paraná decidiram também o apoio da categoria e que somarão forças para as pautas municipais e nacional, em solidariedade aos (às) demais trabalhadores (as);

Defesa da Previdência Pública;
Luta pela anulação das reformas aprovadas pelo governo Temer (Reforma do Ensino Médio, Reforma Trabalhista, teto de gastos, terceirizações, etc.);
Pagamento do Piso Nacional para as redes municipais;
Concurso público para a rede municipal;
Plano de carreira e contra a retirada de direito para os (as) educadores municipais);

Calendário de mobilizações:

05 de março – APP presente na audiência pública sobre a prestação de contas do governo na Alep, em Curitiba;
06 de março – realização de debates em defesa da do projeto político-pedagógico das escolas em contraposição a Base Nacional Comum Curricular;
08 de março – atividades do Dia Internacional da Mulher (veja aqui o Jornal Mural 30 de agosto especial 8 de março);
09 e 10 de março – ato público na Conape, etapa estadual, em Curitiba;
22 e 23 de março – Caravanas pela Educação;
24 de março – plenária estadual do FES.
28 de março – acompanhar a prestação de contas da ParanaPrevidência
7 de abril – “Bota fora do Beto Richa”, ato conjunto com as frentes de lutas e Comitê Popular.
21 de abril – assembleia estadual ordinária de prestação de contas da APP e assembleia extraordinária.

Portal Guaíra com informações da APP Sindicato


CLINICA SALUTAR