ad

O taxa de homicídios por arma de fogo no Paraná aumentou quase 40% entre 2000 e 2014. De acordo com dados do Mapa da Violência de 2016, divulgado na última quinta-feira (25), os óbitos passaram de 13,6 para 19,2 a cada 100 mil habitantes no período. No entanto, apesar desse aumento, o levantamento aponta que a posição do estado no ranking de homicídios caiu do 14º lugar para o 18º.

Já na comparação entre 2004 e 2014, a taxa variou apenas 0,6%, indo de 19,1 em 2004 para 19,2 em 2014. Porém, houve uma alta significativa entre 2009 e 2010, quando a taxa ficou acima de 25, para depois voltar a cair.

Já o número de homicídios cresceu 8,4% em 2014 na comparação com 2004 – foram 1.912 mortes naquele ano e 2.073 em 2014, no Paraná. Em todo o Brasil, o crescimento médio do número de vítimas foi de 23,7% na década 2004-2014. Em 2014, foram 42.291 mortes, contra 34.187 em 2004.

Perfil das vítimas

No Paraná, 93,3% das vítimas de arma de fogo são homens. Os dados revelam, que, ao todo, 2.073 pessoas morreram em 2014, sendo 1.933 homens e 139 mulheres. A maioria das vítimas tem entre 15 e 29 anos – foram 1.195 mortes nessa faixa etária.

O Paraná é também um dos únicos estados do Brasil em que brancos são as principais vítimas das armas de fogo. Foram 1.645 mortes de brancos (80%) contra 401 de negros (19%) – os outros 27 casos foram classificados como parda, amarela ou indígena, segundo a classificação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para se ter uma referência, em Alagoas, por exemplo, em 2014, foram assassinados 60 brancos e 1.702 negros.

Além do Paraná, apenas um outro estado – Tocantins, com 11,2 de brancos e 10,5 de negros – mata mais brancos do que negros. No Paraná, o índice de vitimização é praticamente o dobro: 22 para brancos e 11,6 para negros. No Piauí e no Acre, por exemplo, a taxa de homicídios de brancos ficou em torno de 3 e de negros em torno de 15.

Municípios mais violentos

Entre os 399 municípios paranaenses, três estão entre os 150 com as maiores taxas de homicídios por armas de fogo. Guaíra aparece na 52º colocação, Campina Grande do Sul em 54º e Almirante Tamandaré em 96º.

O estado com mais municípios na lista é Alagoas – 27 dos 102 municípios, o que representa 26,5%. Ceará e Sergipe também têm incidência elevada: acima de 10%. Apenas oito estados – Acre, Amapá, Amazonas, Piauí, Roraima, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins -, além do Distrito Federal, não têm municípios incluídos entre os 150 com maiores índices.

Curitiba

Em Curitiba, o número de homicídios por arma de fogo cresceu 9% em dez anos e, de 2013 a 2014, o aumento foi de 8,6%. Foram 535 mortes em 2004, 537 em 2013 e 583 em 2014. Apesar de a taxa de homicídios ter aumentado de 31,5 para 34 para cada 100 mil habitantes durante a década analisada, a capital saiu da 11ª posição e foi para a 15ª no ranking das capitais.

Secretaria

A Secretaria da Segurança Pública informou, por meio de nota, que os dados oficiais da pasta “seguem a mesma tendência do estudo divulgado, demonstrando que, nos últimos anos, o Paraná vem registrando redução no índice de homicídios dolosos”. A secretaria também informou que mantém um monitoramento qualificado e constante dos índices criminais.

O Mapa da Violência 2016 foi coordenado pelo professor e sociólogo Julio Jacobo, diretor de pesquisa do Instituto Sangari e coordenador da Área de Estudos sobre Violência da Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (FLACSO). O estudo foca a evolução dos homicídios por armas de fogo no Brasil no período de 1980 a 2014.

Portal Guaíra com informações do Paraná Portal


CLINICA SALUTAR