ad

Policiais Rodoviários Federais recuperaram um veículo Citroën/C4 na tarde de ontem (21), na BR-163, em Mundo Novo/MS, quase no acesso a Salto del Guairá, Paraguai. O carro foi roubado na noite de quarta (20), em Cascavel, por quatro homens.

Segundo as informações da delegacia de Polícia Civil de Mundo Novo, um adolescente de 17 anos, morador de Guaíra, conduzia o automóvel com queixa de roubo. Ele disse que pegou o C4 na rodoviária de Guaíra e receberia R$ 500,00 para atravessar a fronteira.

O rapaz foi apreendido em flagrante por receptação. Na manhã desta sexta, ele será submetido a reconhecimento. Caso a vítima confirme que o menor de idade participou do assalto, ele poderá responder pelo crime de roubo.

O assalto

As vítimas, duas jovens de 21 anos, relataram que estavam com o automóvel parado em frente a uma casa no Bairro Guarujá, quando foram surpreendidas pelos bandidos, que estavam em um veículo Peugeot 206, branco, quatro portas.

Dois assaltantes, então, seguiram em direção a uma área rural, onde mantiveram as vítimas reféns por aproximadamente duas horas, sendo parte do período dentro do Peugeot 206 e outra parte em uma espécie de matagal.

Um dos assaltantes, que ficou com as jovens, estava armado. Ele disse, durante o roubo, que portava uma espingarda calibre 36, que era chamada por ele de “Sabrina”. Durante o período, o rapaz apontava a arma para as cabeças das vítimas. Ele e o comparsa estavam sem nada cobrindo os rostos.

Enquanto isso, os outros dois assaltantes fugiram com o veículo C4 em direção a Guaíra. As vítimas ouviram os bandidos, que as mantinham reféns, conversando com uma mulher, por telefone, relatando que o carro seria levado para o Paraguai.

O bandido que conduziu o carro roubado respondia pelo nome de Bruno e o que portava a arma e ficou com as vítimas pelo nome de Diego. As vítimas relataram também que os assaltantes comentaram que ficariam em Cascavel até hoje à tarde e, então, alguém os buscaria, os levando para Guaíra também.

Após cerca de duas horas, as duas mulheres foram liberadas. Elas andaram por alguns minutos e encontraram um estabelecimento aberto, onde pediram socorro. A Polícia Militar foi, então, acionada e as forças de segurança da região comunicadas.

As duas jovens ficaram traumatizadas e preferiram não gravar entrevista.

Fonte: CGN


CLINICA SALUTAR