ad

[dropcap color=”#dd9933″]O [/dropcap]segurança que ateou fogo em uma creche em Janaúba, no norte de Minas Gerais, teve diversos episódios de surtos psicóticos nas últimas semanas, de acordo com a delegacia que cuida do caso. Damião Soares dos Santos entrou na escola, colocou fogo em si mesmo e em algumas crianças. No total, sete pessoas morreram – cinco crianças, uma professora e o autor do ataque.

Em depoimento, a mãe do assassino disse que Damião estava com complexo de perseguição, achando que todos estavam tentando mata-lo. Ele estava de férias e voltou a trabalhar na segunda-feira.

Entretanto, o homem faltou na quarta-feira e na quinta-feira a diretora da creche quis conversar com ele – que chegou na instituição com combustível e causou toda a tragédia.

Segundo a Polícia Civil, galões com combustível foram encontrados na casa dele, indicado premeditação do crime.

Tragédia em creche
Nesta sexta-feira, o número de mortos caiu após a equipe médica reanimar uma das crianças dada como morta. Entre as vítimas, estão as crianças Juan Pablo Cruz dos Santos, Luiz Davi Carlos Rodrigues, Ruan Miguel Soares Silva, Ana Clara Ferreira Silva, Renan Nicolas dos Santos Silva, todos de 4 anos, a professora Helley Abreu Batista e o autor do crime, Damião Soares dos Santos. Ao todo, são cinco crianças mortas e dois adultos.

São 26 pessoas internadas em estado grave em hospitais de Minas Gerais. Nove foram transferidas para o Hospital João XXIII, em Belo Horizonte, 13 estão na Santa Casa de Montes Claros, sendo que outras seis, além das 13, estão em observação por ter inalado fumaça.

As professoras Geni Oliveira, de 63 anos, e Marley Simone, de 42 anos, estão sendo transferidas de Janaúba para a capital mineira.

Portal Guaíra com informações da Band


CLINICA SALUTAR