A residência ficou completamente destruída (foto: JC Fragoso)
ad

Uma mulher morreu carbonizada, no final da tarde de terça-feira (7), após supostamente atear fogo na própria casa na Vila Operária, em Maringá. Um aposentado, que também estava no imóvel, não se feriu.

O imóvel de madeira ficava na Rua Itapura e era compartilhado por um casal e um idoso. Na parte da frente morava o aposentado e coletor de recicláveis Jair da Silva, 70 anos. Já a parte dos fundos era ocupada pela vítima ­ identificada apenas como Cleusa, idade desconhecida ­ e o marido, o servente de pedreiro Henrique.

Segundo Silva, o casal teve uma briga um pouco antes do incêndio. Henrique teria discutido com a esposa ao chegar do trabalhar e encontrar a Cleusa ­ que era deficiente física embriagada e segurando uma garrafa de cachaça. Silva relatou que Henrique tomou a garrafa da mão da esposa e jogou fora. Em seguida, ele seguiu para um bar.

Irritada com o marido, Cleusa também teria saído e retornado pouco tempo depois com um maço de cigarros dizendo que iria atear fogo no imóvel. “Quando percebi, o fogo já estava tomando todos os cômodos. Corri e fiquei na calçada”, contou o aposentado, acrescentando não ter visto Cleusa sair da casa.

Os bombeiros chegaram rapidamente, mas apesar dos esforços o fogo rapidamente consumiu a estrutura de madeira. O corpo da mulher só foi achado cerca de uma hora depois, após as chamas terem sido controladas. O cadáver, completamente carbonizado, estava em um cômodo nos fundos.
Até a chegada do Instituto Médico Legal (IML), o marido da vítima não havia retornado para casa.

Portal Guaíra com informações do O Diario/Goionews


CLINICA SALUTAR